IBRACON - Instituto dos auditores independentes do Brasil

IBRACON - Instituto dos auditores independentes do Brasil IBRACON - Instituto dos auditores independentes do Brasil

Notícias > Notícias do Mercado

Quarta-feira, 12 de Agosto de 2020

CVM facilita o acesso de investidores brasileiros a ações no exterior

Por Fernanda Strickland*

Tamanho do Texto: a A

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu facilitar o acesso de investidores brasileiros a ações de empresas estrangeiras negociadas em bolsas de valores no exterior. A partir de 1º de setembro, pessoas físicas poderão comprar papéis de companhias como Amazon, Facebook ou Twitter por meio de Brazilian Depositary Receipts (BDR) na Bolsa de Valores de São Paulo (B3). Os BDRs são títulos representativos de ações estrangeiras. Até agora, apenas investidores qualificados (que possuem pelo menos R$ 1milhão em aplicações financeiras) tinha acesso a essas operações.

A medida da CVM preserva esta estrutura, porém flexibiliza as restrições existentes. Economistas avaliam que a decisão é importante, principalmente, para os novos investidores da bolsa. “O ato, na minha visão é um ótimo sinal no avanço dos mercados. Vai ficar mais fácil para as pessoas físicas investirem em BDRs de empresas estrangeiras negociadas na B3”, disse o consultor financeiro Eduardo Silveira. Uma das vantagens, observou, é que o investidor não precisará abrir conta em uma corretora fora do país para ter acesso a ações de companhias estrangeiras.

“A norma confere maior liberdade para investidores e emissores, na esteira de uma crescente demanda por diversificação de portfólios e de taxas de juros reduzidas”, comentou Marcelo Barbosa, presidente da CVM.

Os investimentos em BDRs são para quem quer investir em ativos estrangeiros sem tirar o capital do Brasil. Além de ações, os investidores pessoas físicas não qualificados poderão comprar títulos de dívida emitidos por empresas brasileiras no exterior e fundos de índices (ETFs). Também será possível ao investidor nacional ter acesso a papéis emitidos por empresas brasileiras apenas em bolsas de valores estrangeiras, por exemplo.

A Bolsa de Valores de São Paulo (B3) publicou em suas redes sociais nota informando que está em processo de operacionalização da nova norma. “A CVM alterou a regulação de BDRs, papéis que permitem a negociação de ações de empresas estrangeiras no Brasil, liberando o produto para negociação de qualquer investidor pessoa física”, diz o comunicado.

Fonte: Jornal Correio Braziliense -  12/08/2020

Próximos cursos

Fechar [X]

Indicar a um amigo!

Fechar [X]

Enviar a um amigo!