IBRACON - Instituto dos auditores independentes do Brasil

IBRACON - Instituto dos auditores independentes do Brasil IBRACON - Instituto dos auditores independentes do Brasil

Notícias > Ibracon na Mídia

Quinta-feira, 16 de Abril de 2020

Companhias dão largada à temporada de resultados e Covid-19 ganhará a cena

Por Fernanda Guimarães

Tamanho do Texto: a A

Ao dar a largada na temporada de divulgação de resultados referente ao primeiro trimestre nos Estados Unidos, o JPMorgan deixou claro a tônica do mundo: a Covid-19, crise de saúde mundial que colocou parte do mundo em isolamento social, trouxe inúmeros desafios para as empresas. Na carta que tradicionalmente é estampada na primeira página no documento que acompanha o seu demonstrativo financeiro, o presidente do banco americano, Jamie Dimon, afirmou que a instituição financeira fará o que for preciso para ajudar o mundo a se recuperar dessa crise e reforçou que o banco ingressou na pandemia bem capitalizado e muito líquido e destacou, no documento, a necessidade de aumento das provisões. Isso porque, segundo o executivo, apesar do primeiro trimestre bom, a probabilidade é de uma recessão severa à frente.

O tom deverá ser o mesmo no Brasil, com a pandemia mudando radicalmente, desde meados de março, a atividade das empresas, que mesmo em patamares diferentes, afetou todos os setores. Por aqui, os primeiros balanços começam a ser divulgados na próxima semana. "Nesse primeiro trimestre de 2020, a Covid-19 passou a ser uma realidade no Brasil e com os impactos que precisam ser avaliados, em especial o segmento de negócio, 'impairment' (ajuste contábil) dos ativos, contratos de arrendamento e continuidade operacional. Faço uma ressalva que, neste momento, o julgamento do auditor independente será um exercício profundo, pois temos todo um contexto que precisa ser considerado, levando em conta, também, a linha de atuação da empresa", destaca o presidente do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon), Francisco Sant'Anna.

Os efeitos para as empresas são os mais diversos. No varejo não alimentar, lojas físicas tiveram que fechar as portas nesse momento, fábricas reduziram a produção, nas rodovias, o tráfego mudou. No setor aéreo, a maior parte das aeronaves está no chão. Outras tiveram que mudar a dinâmica de trabalho por conta do home office mandatório pelo isolamento social. Mesmo os supermercados e farmácias, dentre os serviços essenciais e que por isso seguem abertos em meio à pandemia, tiveram o dia a dia alterados.

Para as empresas com mais dificuldades de fechar seus balanços de forma remota, a Medida Provisória nº 931 prorrogou determinados prazos regulatórios, incluindo a aprovação de contas da administração de quatro para sete meses a contar da data de término do exercício social entre 31 de dezembro de 2019 e 31 de março de 2020. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) estabeleceu, assim, que as empresas poderão apresentar tais demonstrações financeiras em até cinco meses a contar do término do respectivo exercício social.

"Todas essas medidas visam proporcionar tempo hábil para que as demonstrações financeiras sejam elaboradas adequadamente para o primeiro trimestre", comenta o sócio de auditoria da Deloitte, Jon Marcus. Ele frisa, ainda, que as companhias devem avaliar a capacidade para realizar o fechamento contábil de maneira remota e, se necessário, revisar o cronograma. "É vital avaliar também a disponibilidade de recursos para endereçar as questões técnicas complexas que, além do desafio de fechamento contábil de maneira remota, tornarão este fechamento especialmente desafiador e diferente dos demais", comenta o especialista.

Em ofício de março, a CVM destacou que as empresas podem estar sujeitas aos impactos econômico-financeiros advindos da epidemia. "Tais impactos devem ser, na medida do possível, refletidos nas demonstrações financeiras das companhias registradas na CVM. Para tanto, as Áreas Técnicas da CVM destacam a importância de as Companhias Abertas e seus Auditores Independentes considerarem cuidadosamente os impactos da Covid-19 em seus negócios e reportarem nas demonstrações financeiras os principais riscos e incertezas advindos dessa análise, observadas as normas contábeis e de auditoria aplicáveis", de acordo com o documento.

O sócio da consultoria e auditoria KPMG, Tiago Bernert, destaca que dentre os principais impactos nos demonstrativos financeiros estão a mensuração da perda esperada em ativos financeiros, o potencial impairment de ativos de longo prazo, a determinação do valor realizável líquido de estoques, o reconhecimento de impostos diferidos ativos e a mensuração a valor justo de ativos e passivos.

"Esperamos que incertezas sejam refletidas nas mensurações de diferentes ativos e passivos este ano. É inerente à toda estimativa estar sujeita a incerteza e, justamente por isso, fontes de incerteza que possuam risco significativo de provocar ajuste material nos valores contábeis de ativos e passivos devem ser divulgadas, assim como as premissas e cenários efetivamente considerados pela administração. Finalmente, é preciso que a administração seja consistente na determinação dessas premissas para as diferentes mensurações requeridas pelas normas contábeis", disse Bernert.

Outro desafio será o volume de novas informações que serão trazidas dos documentos, comenta o sócio da PwC Brasil, Kieran McManus. "Estamos verificando uma série de impactos complexos em muitas contas, que requerem novos fluxos de caixa, novas análises para várias informações da empresa. Se isso não é realizado o trabalho já começa com um desalinhamento das expectativas, aumentando os riscos de ruídos posteriormente", explica.

Segundo McManus, é importante que as empresas comparem suas estimativas passadas antes da pandemia, até para tornar mais clara a mudança do cenário para os próximos meses. "Isso provavelmente vai demandar muito trabalho, tanto por parte da empresa quanto por parte dos auditores, para adaptação a essa nova realidade. É uma mudança de paradigma das operações das empresas", diz. A qualidade e clareza das divulgações, acredita o especialista, permitirão que os investidores entendam o impacto dos eventos até a data da publicação, de forma que podem compreender o cenário e a expectativa da empresa aos eventos futuros. "Esse 'novo normal' transformou radicalmente a maneira que as empresas estavam operando. É preciso prestar atenção a isso, já que a crise está criando novas situações, novos passivos, novas expectativas. É uma questão bem abrangente", explica.

Sant'Anna, do Ibracon, lembra que é fundamental que as empresas comuniquem com clareza os impactos da pandemia conforme determinam as normas de contabilidade e o ofício CVM, em prol do interesse público, e porque na retomada, essas informações serão importantes. "Se não houver transparência, as análises atuais e as decisões futuras podem ser comprometidas. A auditoria independente e a contabilidade serão importantes aliados no processo de retomada", comenta.

Fonte: Broadcast Estadão - 16/04/2020 

Próximos cursos

Fechar [X]

Indicar a um amigo!

Fechar [X]

Enviar a um amigo!